O SEO da nova era Google: como se adaptar?

Fique por dentro de tudo que mudou na pesquisa Google nos últimos anos e como se adaptar a nova era de SEO.

Se você acha que o Google muda somente a forma como apresenta as informações para os usuários, está muito enganado. Além dessas mudanças “de layout”, a plataforma também atualiza seus algoritmos e a forma como os usuários pesquisam.

As práticas de SEO mudam a cada ano e, por isso, é importante acompanhar o que significa otimizar adequadamente o seu site nos dias de hoje.

Desde abril de 2021, o Google lançou cinco atualizações de análises de produtos, e algumas dessas novidades nós noticiamos aqui no Pixeld.

Logo, vamos passar por algumas dessas atualizações e entender como se adaptar ao SEO da nova era Google.

 

Sinais de autenticidade e utilidade

As diretrizes associadas que o Google publicou para escrever análises de produtos recomendam fatores específicos na página que devem existir para que ela seja classificada para consultas de pesquisa relacionadas a análises de produtos.

Essa é uma mudança extraordinária na forma como os sites são classificados. O Google redefiniu o que significa uma página da Web ser relevante para uma consulta de pesquisa.

Antes, a definição de relevância era simplesmente que uma página da web deveria ser sobre o que o usuário estava procurando, neste caso, análise de produtos – e essas eram comumente consideradas como a expressão de uma opinião sobre o produto, se vale a pena comprar ou não.

Porém, agora, não basta mais uma página da web avaliar um produto, este conteúdo deve ser autêntico e útil, e essa é uma grande mudança em como os sites são classificados.

Aqui estão dois fatores de classificação do Google para análise de produtos introduzidos no final de 2021:

…estamos apresentando duas novas práticas recomendadas para análises de produtos, que entrarão em vigor em uma atualização futura.

  • Forneça evidências, como imagens, áudio ou outros links de sua própria experiência com o produto, para apoiar sua experiência e reforçar a autenticidade de sua avaliação.

  • Considere incluir links para vários vendedores para dar ao leitor a opção de comprar do comerciante de sua escolha, se fizer sentido para o seu site.

O Google chama de “práticas recomendadas”, mas dá para saber que é algo no algoritmo que está em busca dessas qualidades, que são: a autenticidade da revisão do produto e um sinal para sites que não vendem os produtos analisados e é útil para os visitantes, oferecendo várias lojas para que ele faça a compra.

Logo, autenticidade e utilidade são uma grande mudança – extremamente relevante – para a nova era SEO.

 


A pesquisa é cada vez mais sobre contexto

O contexto, nesse caso, é o cenário no qual algo é dito ou feito, o que dá significado a essas ações ou cenários.

O contexto de uma pesquisa pode influenciar os resultados dela.

O que está acontecendo é que o Google está redefinindo o que significa ser relevante ao entender o contexto do usuário.

Quando um usuário pesquisa por “pizza”, o Google não mostra receitas de pizza, mostra pizzarias locais.

O Google define o significado da palavra-chave “pizza” de acordo com o contexto do usuário, que inclui a localização geográfica dele.

Outro contexto que influencia os resultados das pesquisas são os eventos atuais, que podem alterar o significado de uma frase de pesquisa. Isso faz parte do que é conhecido como algoritmo Freshness.

O algoritmo Freshness leva em consideração fatores baseados em tempo que podem alterar o significado de uma frase de pesquisa e isso influencia quais sites são exibidos.

Portanto, esses são os contextos de geografia e tempo, que influenciam o que significa ser relevante para uma consulta de pesquisa.

 

A pesquisa é cada vez mais sobre tópicos

A tendência é que o Google vá se afastando das palavras-chave e se aproxime da compreensão dos múltiplos significados inerentes às consultas de pesquisa.

A plataforma também está redefinindo a relevância por meio do conceito de tópicos.

Quando alguém busca pela palavra-chave “mustang”, o significado mais provável é automóvel, certo?

Na captura de tela acima, o Google lista vários tópicos relacionados ao automóvel Ford Mustang.

  • Visão geral.
  • Imagens.
  • À venda.
  • Preço.
  • Atuação.
  • Motor.
  • Carregando.
  • Notícia.
  • Avaliações.
  • Especificações
  • Configurações.

Clicar em qualquer um dos tópicos listados acima resulta em um resultado de pesquisa diferente.

Alguns dos sites mais bem classificados aparecem em tópicos diferentes porque são relevantes para vários tópicos. Algo para se pensar, certo?

Em 2018, Danny Sullivan, do Google, twittou sobre uma maneira de alterar os resultados da pesquisa por tópico , que são os botões de tópico que acabamos de analisar acima:

“Uma nova maneira dinâmica de alterar rapidamente os resultados está chegando, por exemplo, como você pode alternar para alterar rapidamente as raças de cães. Isso é alimentado pela Topic Layer, uma forma de alavancar como o Knowledge Graph conhece pessoas, lugares e coisas em tópicos.”

O Google publicou uma postagem no blog sobre essas mudanças e as discutiu na seção intitulada Organização dinâmica dos resultados de pesquisa.

No artigo, o Google explica que está organizando algumas buscas por tópicos e subtópicos.

Toda jornada de pesquisa é diferente e, especialmente se você não estiver familiarizado com o tópico, nem sempre fica claro qual deve ser sua próxima pesquisa para ajudá-lo a aprender mais. Portanto, estamos introduzindo uma nova maneira de organizar dinamicamente os resultados da pesquisa que o ajuda a determinar com mais facilidade quais informações explorar a seguir.

 

As pessoas também perguntam

“As pessoas também perguntam” é uma maneira de o Google ajudar os usuários a navegar até as informações que procuram, principalmente quando o usuário pesquisa com uma frase de palavra-chave vaga, como ICMS.

As consultas listadas no “as pessoas também perguntam” são tópicos.

As pessoas gostam de pensar nelas como palavras-chave, mas são mais do que palavras-chave. Elas são tópicos para páginas de conteúdo.

Clicando no primeiro tópico “qual é o ICMS”, revela um artigo do próprio site da Fazenda explicando o que é o imposto.

Algumas pessoas e ferramentas gostam de usar todas as caixas de sugestões do “as pessoas também perguntam” como palavras-chave para uso em um único artigo abrangente.

Mas o que se perde nessa abordagem é que cada sugestão individual é um tópico único para um artigo.

Como o Google gosta de classificar conteúdo preciso, seria melhor criar conteúdo para cada tópico do que uma página gigante de conteúdo sobre vários tópicos, pois uma página gigante não é particularmente precisa.

 

O foco do Google nos tópicos

As palavras-chave são importantes porque o uso adequado delas ajudará o conteúdo a se conectar com os usuários que usam essas palavras ao pesquisar respostas ou informações.

Usuários avançados tendem a utilizar jargões para pesquisar, em contraponto os usuários com menos conhecimento usarão termos gerais – às vezes bastante abrangentes. Por isso é importante ter em mente que o Google entende o mundo em termos de tópicos e não de palavras-chave.

Quando o Google olha para uma página, está entendendo no nível de “sobre o que é esta página? Qual o assunto dela?” Dessa forma, você deve evitar ao máximo utilizar tantas palavras-chave a ponto de o conteúdo parecer artificial – feito para máquina e não para humanos.

A melhor maneira de criar conteúdo é focar nos tópicos e, claro, na utilidade.

 

Resultados de pesquisa precisos e palavras-chave

Os algoritmos de classificação de pesquisa do Google tornaram-se progressivamente mais precisos.

A precisão dos resultados da pesquisa é algo que decolou após a atualização do Google Hummingbird em 2013.

Essa atualização tornou a pesquisa mais precisa, foi depois dela que o Google parou de utilizar todas as palavras-chave em uma consulta de pesquisa para corresponder ao que está em uma página da web.

Antes disso, o Google estava ignorando algumas palavras, principalmente em pesquisas de tipo de “linguagem natural”, assim ele se concentrava no que a consulta realmente significava e, em seguida, usava esse entendimento para corresponder à consulta de pesquisa a uma página da web.

A precisão é algo importante a se pensar ao considerar como fazer o SEO de uma página da web.

O engenheiro do Google (na época) Matt Cutts explicou:

[…] a ideia por trás do Hummingbird é, se você estiver fazendo uma consulta, pode ser uma consulta de linguagem natural, e você pode incluir alguma palavra que não necessariamente precisa […] Algumas dessas palavras não importam tanto. E, anteriormente, o Google costumava combinar apenas as palavras na consulta. Agora, estamos começando a dizer quais são realmente mais úteis e quais são mais importantes.

Esse foi o início da evolução do Google para atender os tópicos e o que os usuários realmente desejam.

O foco do Google na precisão permanece e pode ser visto em suas tecnologias de classificação cada vez mais sofisticadas, como o Google Lens, onde a IA pode classificar páginas da web com base nas pesquisas de usuários com imagens de seus telefones celulares.

 

Precisão na intenção do usuário

Existem muitas pesquisas que são feitas e não dá para entender de forma literal. Por exemplo, ao pesquisar “boca do sapo” no Google, a intenção do usuário pode ser religiosa, científica, folclórica ou várias outras.

Algumas categorias são realmente muito gerais e, na verdade, há uma maneira mais sutil de entender a intenção do usuário ao entender os verbos usados nas consultas de pesquisa.

Dixon Jones, do site de ferramentas de otimização de conteúdo Inlinks, compartilha sua abordagem para entender a intenção do usuário:

Os verbos mudam fundamentalmente a pesquisa de palavras-chave. […] A intenção de um usuário quando ele pesquisa é mais específica. A intenção do usuário é muito melhor descrita analisando os verbos.

A maioria dos dados de pesquisa de palavras-chave se concentra em palavras ou frases, sem entender a intenção do usuário, o que pode levar a erros fundamentais. Por exemplo, um site sobre cavalos pode fazer uma pesquisa de palavras-chave que encontra volumes de pesquisa em torno de frases como “Mustang” ou mesmo “Horse power” que são tópicos e conceitos totalmente diferentes, que podem ou não ser relevantes para o tópico de um site.

Aqui está o ponto-chave: as palavras geradas por meio da pesquisa de palavras-chave não são especificamente relevantes para o que alguém pesquisa sem um verbo na consulta de pesquisa para fornecer o contexto da pesquisa. O verbo “ride” e “mustang” juntos sugerem significado e público totalmente diferentes do que o verbo “dirigir” e “mustang”. Além disso, uma frase como “compre um Mustang” provavelmente não é relevante para um site de cavalos porque a intenção mais popular está relacionada a um automóvel.

O Google pode muito bem saber mais sobre o usuário, com base em seu histórico de pesquisa, mas tudo o que você pode fazer como SEO é ser fiel ao tema e propósito do seu site.Se você começar a escrever conteúdo em torno de uma frase-chave simplesmente porque os volumes de pesquisa são altos, é possível que o site perca o contexto, em vez de melhorar o contexto.

Analisar verbos na pesquisa de palavras-chave é uma das ideias que temos pesquisado no InLinks.net. O uso de algoritmos de NLP pode ajudar a eliminar sugestões de palavras-chave irrelevantes quando as entidades e verbos nas consultas do usuário são verificados quanto à proximidade de tópicos em seu próprio conteúdo.

 

As consultas de pesquisa evoluíram

O Google continua a desenvolver o que significa pesquisar. Inicialmente, pesquisar significava digitar essas palavras em um computador de mesa ou laptop; em seguida começou a envolver falar essas pesquisas em um celular; agora inclui também a pesquisa por imagens.

É notável que o Google está conduzindo essa evolução ao criar novas formas de pesquisa para os usuários, como o Google Lens.

Ainda este ano, o Google anunciou nove maneiras para os usuários realizarem pesquisas de compras:

“Hoje, em nosso evento anual Search On, anunciamos nove novas maneiras de transformar a maneira como você compra com o Google, trazendo a você uma experiência de compra mais imersiva, informada e personalizada. Alimentando essa experiência está o Shopping Graph, nosso modelo aprimorado por IA que agora compreende mais de 35 bilhões de listagens de produtos – acima dos 24 bilhões do ano passado”.

Também lançou a busca múltipla, uma nova maneira de pesquisar:

Cada mudança na forma como os usuários podem pesquisar e como o Google apresenta as informações é uma oportunidade para as empresas reivindicarem uma parte das novas formas de pesquisas e serem descobertas.

Todas essas atualizações e transformações representam uma nova era no maior pesquisador do mundo, o Google.

E você, está preparado e atualizado para todas essas mudanças? Essa é a função do Pixeld, te deixar por dentro de tudo desse mundo, então continue nos acompanhando!

Fonte: Search Engine Land

Quer saber de tudo, antes de todos?

Receba as principais notícias e atualizações sobre redes sociais, ads e marketing digital resumidas no seu e-mail!

Isso pode te interessar:

OPINE:

Compartilhe:

VEJA TAMBÉM:

Gemini no Performance Max do Google

Google está adicionando Gemini às campanhas Performance Max

Google anunciou está adicionando seu modelo de linguagem IA Gemini às campanhas Performance Max, para ajudar a criar campanhas mais eficazes

marketplace de criadores instagram

Um portfólio digital para criadores: Instagram traz marketplace de criadores para o Brasil

O novo recurso do Instagram que promete ser um portfólio digital para influenciadores chega ao Brasil e a outros sete países

5 métricas de marketing de influência que você precisa conhecer

Ao acompanhar essas métricas, você pode identificar influenciadores para refinar continuamente sua abordagem para obter melhores resultados

Aqui você encontra as principais notícias sobre Marketing Digital e atualizações sobre o mundo das Redes Sociais, Ads, Infoprodutos, Vendas Online.