YouTube busca proteger criadores e combater a apropriação de conteúdo com novas políticas

O YouTube está implementando uma nova política de combate à falsificação de identidade visando combater as falsificações no aplicativo

O YouTube está implementando uma nova política de combate à falsificação de identidade em resposta ao crescente número de deturpações e falsificações no aplicativo.

As recentes atualizações das regras exigirão que os canais de fãs deixem claro que não possuem afiliação com as entidades que estão apoiando.

Conforme explicado pelo YouTube:

Se você opera um canal de fãs, certifique-se de declarar isso explicitamente no nome ou identificador do seu canal.

Deve ser óbvio para seus espectadores que seu canal não representa o criador original, artista ou entidade que seu canal está celebrando.

Essa medida visa garantir maior transparência e autenticidade no conteúdo compartilhado na plataforma.

 

Foco no conteúdo original

O YouTube explica ainda o foco mais específico da mudança, que é impedir que os usuários repostem o conteúdo de outras pessoas e o apresentem como seu.

Por exemplo, canais que afirmam ser uma ‘conta de fã’, mas na verdade se passam por outro canal e reenviam seu conteúdo não são permitidos.

Outro exemplo seriam canais com o mesmo nome e avatar ou banner de outro canal, com a única diferença de um espaço inserido no nome ou um zero substituindo a letra O, não seriam permitidos.

A nova política do YouTube representa um endurecimento significativo em relação às violações de direitos autorais e à falsificação de identidade na plataforma.

Ao contrário do sistema de três advertências anteriormente adotado, a política atualizada enfatiza que qualquer violação pode levar ao encerramento imediato da conta.

Essa mudança reflete a determinação do YouTube em combater ativamente a deturpação e a apropriação indevida de conteúdo.

 

Alto índice de violação de direitos autorais

O YouTube tem enfrentado um aumento preocupante no número de canais que reenviam vídeos de criadores populares e os apresentam como se fossem seus.

Esses canais visam construir uma base de seguidores monetizável, enganando os espectadores e prejudicando a reputação dos verdadeiros criadores.

Essa prática não é exclusiva do YouTube e pode ser observada em outras plataformas de vídeo, como TikTok e Instagram, onde clipes de programas de TV populares e conteúdo em alta também são republicados repetidamente na tentativa de maximizar o alcance e o engajamento.

A política revisada oferece ao YouTube uma maior liberdade para tomar medidas enérgicas contra essa conduta prejudicial.

Ao proibir completamente o comportamento de reenvio e falsificação de identidade, o YouTube busca desencorajar de forma mais eficaz aqueles que tentam se apropriar do trabalho e da criatividade de outros.

 


O Impacto da política

O impacto dessa política revisada no ecossistema de conteúdo do YouTube também é uma questão relevante.

É possível que a medida ajude a fortalecer a confiança dos criadores originais na plataforma, incentivando-os a continuar produzindo conteúdo de qualidade.

Além disso, a redução da disseminação de conteúdo falso e a valorização da autenticidade podem levar a uma experiência mais positiva para os espectadores.

Em suma, a nova política do YouTube busca garantir uma maior integridade e proteção aos criadores de conteúdo, combatendo a falsificação de identidade e o reenvio de vídeos sem autorização.

O YouTube diz que as regras atualizadas entrarão em vigor a partir de 21 de agosto de 2023.

Você pode ler mais sobre a atualização da política de falsificação de identidade do YouTube aqui.

Fonte: Social Media Today

Quer saber de tudo, antes de todos?

Receba as principais notícias e atualizações sobre redes sociais, ads e marketing digital resumidas no seu e-mail!

Isso pode te interessar:

OPINE:

Compartilhe:

VEJA TAMBÉM:

Google Ads

Checklist do Google Ads: 5 maneiras de auditar e otimizar suas campanhas

Aumente seu sucesso no Google Ads! Audite, otimize e direcione o público certo para maximizar o ROI e as conversões

Não pague à Apple! Meta compartilha dicas para evitar taxas de impulsionamento de posts

A Meta publicou um infográfico dando quatro dicas para anunciantes evitarem a taxa de 30% da Apple ao impulsionar seus anúncios

Telegram ou WhatsApp? O que usar no seu marketing

Telegram ou WhatsApp: qual usar no seu marketing?

Telegram ou WhatsApp? Qual usar dentro das suas estratégias de marketing? A resposta não é tão simples quanto parece.

Aqui você encontra as principais notícias sobre Marketing Digital e atualizações sobre o mundo das Redes Sociais, Ads, Infoprodutos, Vendas Online.