Quais são as restrições do Google sobre o uso de sua IA generativa?

A empresa publicou sua política de uso proibido de IA generativa, informando as restrições de uso de IA para criar conteúdo e informações

No dia 14 deste mês, o Google publicou a sua política de uso proibido de IA generativa, documento que declara onde é permitido usar seus recursos de IA para criar conteúdo e informações.

As recomendações não são específicas para a pesquisa em si, mas pode ser um primeiro passo para um dia estar nas diretrizes para webmasters do Google.

As recomendações vêm antes que a empresa comece a expandir ainda mais seus recursos de IA.

 

Como você não deve usar os serviços IA do Google?

A empresa usa o documento para salientar que, ainda que os modelos generativos de IA possam ajudar a explorar novos tópicos, inspirar a criatividade e ensinar coisas novas, eles devem ser usados de maneira responsável e legal.

Assim, enfatiza que os serviços não devem ser usados para estes fins específicos:

 

1. Executar ou facilitar atividades perigosas, ilegais ou maliciosas

Os serviços de IA, de acordo com o Google, não podem ser utilizados em conteúdos e informações que facilitem ou promovam atividades ilegais e violações de lei; que possam prejudicar ou promover danos a alguém; e/ou representem abuso, dado, interferência ou interrupção de serviços.

Os exemplos dados pela empresa são:

  • Promover ou gerar conteúdo relacionado a abuso ou exploração sexual infantil;
  • Promover ou facilitar a venda ou fornecer instruções para sintetizar ou acessar substâncias, bens ou serviços ilegais;
  • Facilitar ou encorajar os usuários a cometer qualquer tipo de crime;
  • Promover ou gerar extremismo violento ou conteúdo terrorista;
  • Promover ou facilitar a geração ou distribuição de spam;
  • Gerar conteúdo para atividades enganosas ou fraudulentas, golpes, phishing ou malware;
  • Tentativas de ignorar ou burlar os filtros de segurança ou levar intencionalmente o modelo a agir de maneira que viole as políticas da plataforma;
  • Gerar conteúdo que promova ou encoraje o ódio;
  • Facilitar métodos de assédio ou intimidação para intimidar, abusar ou insultar outras pessoas;
  • Gerar conteúdo que facilite, promova ou incite a violência;
  • Gerar conteúdo que facilite, promova ou encoraje a autoagressão;
  • Gerar informações de identificação pessoal para distribuição ou outros danos;
  • Rastrear ou monitorar pessoas sem o consentimento delas;
  • Gerar conteúdo que possa ter impactos injustos ou adversos sobre as pessoas, particularmente impactos relacionados a características sensíveis ou protegidas.

 

2. Gerar e distribuir conteúdo destinado a desinformar, deturpar ou enganar

Este ponto é digno de nota, uma vez que destaca o uso das informações geradas pela IA e como usá-las de forma correta e ética.

De acordo com a empresa, é proibido utilizar as informações dadas pela IA nas seguintes situações:

  • Deturpação da proveniência do conteúdo gerado, alegando que o conteúdo foi criado por um ser humano ou representando o conteúdo gerado como trabalho original, a fim de enganar;
  • Geração de conteúdo que personifica um indivíduo (vivo ou morto) sem divulgação explícita, a fim de enganar;
  • Alegações enganosas de conhecimento ou capacidade feitas particularmente em áreas sensíveis (por exemplo, saúde, finanças, serviços governamentais ou jurídico);
  • Tomar decisões automatizadas em domínios que afetam direitos materiais ou individuais ou bem-estar (por exemplo, finanças, jurídico, emprego, saúde, habitação, seguros e bem-estar social).

 

3. Gerar conteúdo sexualmente explícito

Por fim, a empresa aponta que também é proibido utilizar os seus serviços de IA para gerar conteúdo sexualmente explícito, incluindo conteúdo criado para fins de pornografia ou gratificação sexual (por exemplo, chatbots sexuais).

O Google destaca que, neste ponto, não está incluído conteúdo criado para fins científicos, educacionais, documentais ou artísticos.

Em resumo, a postura mais recente do Google em relação ao uso de conteúdo de IA em seu site é que ele deve ser útil e valioso para os usuários, independentemente de ter sido gerado por uma IA ou por um humano.

O objetivo é fornecer uma experiência útil e positiva para os usuários que buscam informações relevantes na plataforma.

Quer saber de tudo, antes de todos?

Receba as principais notícias e atualizações sobre redes sociais, ads e marketing digital resumidas no seu e-mail!

Isso pode te interessar:

OPINE:

Compartilhe:

VEJA TAMBÉM:

Jon loomer formulário de leads

Você está restringindo seus formulários de leads nos anúncios da Meta?

Jon Loomer fala sobre configuração simples que pode estar limitando os leads que você obtém dos formulários de leads da Meta

TikTok Reels Shorts

TikTok ainda lidera o ranking de vídeos curtos, mas os Reels não ficam muito atrás

De acordo com estudo, TikTok supera o Reels e os Shorts em engajamento de usuários, enquanto o Reels lidera em tempo de exibição

WhatsApp

WhatsApp está lançando um recurso de compartilhamento de tela

A Meta está testando o recurso em dispositivos Android, permitindo que os usuários compartilhem suas telas em suas ligações

Aqui você encontra as principais notícias sobre Marketing Digital e atualizações sobre o mundo das Redes Sociais, Ads, Infoprodutos, Vendas Online.