A era dos influenciadores virtuais: como isso afeta seus esforços de marketing?

A era dos influenciadores virtuais está chegando, trazendo uma série de novas considerações para as marcas; conheça mais a tendência

Embora a atual onda de ferramentas generativas de inteligência artificial (IA) seja interessante e já esteja mudando os comportamentos de descoberta e os processos interativos, elas estão apenas arranhando a superfície do que é possível e estão longe da “inteligência” real, como o nome da IA sugere.

Na verdade, a maioria desses modelos iniciais são ferramentas de correspondência de dados, capazes de prever elementos de texto e imagens com base na sequência mais provável, aplicando probabilidade a enormes conjuntos de dados. O que não é pouca coisa, mas não é o máximo que conseguem. 

Esses sistemas não estão desenvolvendo novos conceitos por si próprios e não há intenção ou raciocínio por detrás dessas correspondências, para além das probabilidades matemáticas.

E esse é exatamente o próximo nível de IA, com o qual muitos especialistas expressaram preocupação, na medida em que tais sistemas um dia terão a capacidade de pensar de forma independente e, como resultado, potencialmente excederão a nossa própria capacidade mental. Embora a criação de um “cérebro” digital ainda esteja muito longe de ser uma realidade.

Mas, mesmo assim, apenas através da probabilidade, estamos tocando nas possibilidades expandidas dos sistemas generativos, com os últimos avanços apontando agora para uma fase totalmente nova de criação digital.

 

Influenciadores digitais, literalmente digitais

Uma agência de publicidade espanhola recentemente ganhou as manchetes depois de revelar que havia criado um personagem de IA, que agora ganha US$ 10 mil por mês com contratos de marca.

Aitana não exige pagamento, não tem vergonha de aparecer e está disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana. E ela parece real, e sem dúvida muitos de seus mais de 200.000 seguidores no Instagram nem sabem que ela, de fato, não existe.

Você pode ver o apelo dos influenciadores virtuais a esse respeito, e Aitana não é a primeira a conquistar muitos seguidores e certamente não será a última.

Mesmo antes da chegada de Dall-E e Midjourney, os modelos virtuais já estavam ganhando força, incluindo personagens como Miquela (2,7 milhões de seguidores no Instagram) , noonoouri  (424 mil seguidores) e Shudu (241 mil).

Dá para acreditar que não são pessoas reais? Pois é, ferramentas de criação mais avançadas estão tornando essas identidades virtuais ainda mais realistas, enquanto a próxima fase da animação digital poderá levá-las a outro nível de realismo, na replicação de tendências humanas.

 

Será que a IA terá como replicar as tendências humanas?

YouTube video

Este vídeo, compartilhado como parte do projeto “Animate Anyone” do Alibaba, destaca como o reconhecimento avançado de imagens e o sequenciamento de vídeos podem agora replicar o movimento humano real, em um grau cada vez mais realista.

Ainda não é perfeito, mas, novamente, estamos apenas no início desse processo, e você pode ver como, à medida que esses sistemas continuam a evoluir, os influenciadores virtuais, tanto em formato de foto quanto de vídeo, estão prestes a se tornar elementos muito maiores, de interação online.

Personagens deepfake, onde rostos de celebridades são sobrepostos a atores reais, são outro aspecto e outro vetor para questões de segurança. Mas criações totalmente virtuais, animadas a partir de imagens estáticas, seriam mais baratas de usar, mais rápidas de personalizar e mais fáceis de criar para qualquer marca.

 


Então, o que isso significa para seus esforços de marketing?

Bem, se você tem vergonha de usar as câmeras e tem reservas em criar conteúdo de vídeo, em breve talvez não seja necessário, com opções alternativas viáveis para criar conteúdo animado digitalmente.

Você terá que divulgar isso, mas, realisticamente, é o conceito que irá repercutir nos espectadores, não a composição, e se você puder evitar os marcadores reveladores das atuais imaginações generativas de IA, poderá ser um caminho para o seu desenvolvimento futuro.

Claro que, como estamos falando de IA “imitando” humano, dá aquele receio de “será que a IA vai substituir os humanos”? Mas não, a criatividade humana continuará sendo essencial e, por mais realistas que sejam as criações de IA, ainda precisarão de emoções centradas no ser humano no centro de qualquer promoção.

E até que as máquinas possam realmente pensar como nós, esse continuará a ser o principal diferenciador, embora o processo real de expressão da sua mensagem pareça estar prestes a mudar significativamente.

Esta será uma tendência importante para ficar de olho no novo ano.

Fonte: Social Media Today

Quer saber de tudo, antes de todos?

Receba as principais notícias e atualizações sobre redes sociais, ads e marketing digital resumidas no seu e-mail!

Isso pode te interessar:

OPINE:

Compartilhe:

VEJA TAMBÉM:

Gemini geração de imagem

Google suspende geração de imagens por IA após erros históricos e raciais

O Gemini, ferramenta de IA do Google, gerou imagens dos nazistas e dos fundadores dos EUA como pessoas negras, gerando debate sobre racismo

Threads da Meta e Facebook

Ainda tentando! Meta está testando postagens cruzadas do Facebook para Threads

Segundo a Meta, o recurso ainda está em teste para usuários do iOS e pretende facilitar o cruzamento de postagens entre Facebook e Threads

Gemini no Performance Max do Google

Google está adicionando Gemini às campanhas Performance Max

Google anunciou está adicionando seu modelo de linguagem IA Gemini às campanhas Performance Max, para ajudar a criar campanhas mais eficazes

Aqui você encontra as principais notícias sobre Marketing Digital e atualizações sobre o mundo das Redes Sociais, Ads, Infoprodutos, Vendas Online.